Atenção! O Portal dos Bancários RS utiliza cookies neste site, eles são utilizados para melhorar a sua experiência de uso e estatísticos.

Remoção compulsória | 28/01/2021
Empregados do Banco do Brasil não podem ser removidos para unidades distantes da sua residência

A partir do anúncio do plano de reestruturação do Banco do Brasil, muitos empregados e empregadas da instituição passaram a se preocupar com a possibilidade de serem transferidos para outras unidades em cidades distantes do seu domicílio. Entretanto, a Fetrafi-RS esclarece que há decisão judicial impedindo essa remoção compulsória.

De acordo com o assessor jurídico da Federação, Milton Fagundes, há uma liminar concedida pelo Tribunal Regional do Trabalho à Fetrafi-RS que garante que os caixas e escriturários não sejam transferidos de cidade e que, caso não haja outra possibilidade (quando não há nenhuma agência do Banco no município), que a distância do novo posto de trabalho não exceda os 50km do local de residência do(a) empregado(a).

“Essa decisão está vigorando plenamente e tem que ser cumprida pelo Banco, independentemente de qualquer reestruturação”, frisa o assessor jurídico. A Federação e os sindicatos da categoria continuarão trabalhando para manter a decisão judicial e para que o plano de desmonte do banco não se concretize.

Participe da mobilização e paralisação desta sexta-feira contra a reestruturação do Banco do Brasil!
 

OUTRAS MATÉRIAS
Movimento sindical | 03/08/2021
Bancários do Santander realizam encontro nacional nesta terça-feira (3)
"Contra a precarização, em defesa da vida e do emprego", debates vão girar em torno dos planos de previdência complementar, balanços do banco e empresas da holding
Movimento Sindical | 02/08/2021
Bancários(as) do Bradesco vão reivindicar melhorias no plano de saúde, fim das metas abusivas e valorização dos funcionários
Encontro estadual discutiu conjuntura, balanço do banco e pandemia
Saúde Caixa | 02/08/2021
Sob protesto da representação dos empregados, Caixa encerra GT Saúde Caixa unilateralmente
Caixa propõe modelo de custeio que aplica integralmente a CGPAR 23; propostas, da direção da Caixa e dos empregados, serão levadas à mesa de negociação.