Atenção! O Portal dos Bancários RS utiliza cookies neste site, eles são utilizados para melhorar a sua experiência de uso e estatísticos.

#SÁUDECAIXA | 06/12/2023
Proposta de aditivo é aprovada pela maioria dos sindicatos 

Empregadas e empregados da ativa, aposentados e pensionistas titulares do Saúde Caixa participaram, nesta terça-feira (05/12), de assembleias realizadas por sindicatos de bancários de todo o país para deliberar sobre o aditivo ao Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) específico do plano de saúde. Na base do SindBancários Porto Alegre e Região, o acordo não foi aprovado pela maioria dos votantes.

Embora tenha sido aprovada a proposta na maioria dos sindicatos que realizaram a assembleia (73,6%), é preciso aguardar os desdobramentos da assembleia em São Paulo, maior base sindical da categoria bancária do país. Esta foi foi suspensa por volta das 11h de ontem por decisão da Justiça, devido a uma decisão liminar pedida por um militante da oposição que impediu a continuidade da votação. Até aquele momento, mais de 1.300 votos já tinham sido computados, com 67% a favor da aprovação do acordo. A assembleia foi remarcada para o dia 08/12 (sexta-feira).

Para a diretora da Fetrafi-RS e representante do Rio Grande do Sul na Comissão de Empresa dos Empregados da Caixa, Sabrina Muniz, os colegas manifestaram a sua posição com relação à proposta e se engajaram na discussão sobre o Saúde Caixa. “Com relação aos desdobramentos, teremos que aguardar os próximos dias para poder apontar com segurança como fica a situação nos locais onde a proposta foi rejeitada pelos nossos colegas, caso de Porto Alegre. Apesar de ainda aconteceram assembleias até o próximo final de semana, nacionalmente as assembleias indicam a aprovação, bem como no Rio Grande do Sul. As bases nas quais houve rejeição da proposta, dependerão de diálogo com a Caixa para ver como vai ser conduzido o processo”, aponta. “De toda forma e em qualquer cenário, precisamos nos manter mobilizados em defesa do Saúde Caixa e apontar para engrossar a luta em 2024, para que possamos resolver questões importantes que nos prejudicam sobremaneira, como o teto estatutário que limita a participação da Caixa em 6,5% da sua folha de pagamentos e proventos, é justamente por causa deste teto que estamos discutindo déficits no Saúde Caixa e a SEST aponta 2024 como ano possível para as revisões estatutárias em estatais acontecerem”, reforça a dirigente.

Entre os sindicatos com maior base da categoria, a proposta foi aprovada em Brasília, no ABC (SP), Campinas (SP), Ceará, Pernambuco, Bahia, Paraíba, Piauí, Alagoas, Curitiba, Campo Grande, Florianópolis, Espírito Santo e Mato Grosso. Além de Porto Alegre, as bases do Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Pará e Acre rejeitaram a proposta.

No Rio Grande do Sul, de acordo com levantamento da Fetrafi-RS, o ACT do Saúde Caixa foi aprovado em:

Bagé, Bento Gonçalves, Camaquã, Carazinho, Caxias do Sul, Cruz Alta, Frederico Westphalen, Guaporé, Horizontina, Ijuí, Lajeado, Litoral Norte, Nova Prata, Novo Hamburgo, Passo Fundo, Rosário do Sul, Santa Maria, Santa Rosa, Santo Ângelo, São Borja, São Gabriel, São Luiz Gonzaga, Soledade, Vacaria e Vale do Paranhana.

E rejeitado em: 

Alegrete, Erechim, Pelotas, Porto Alegre, Rio Grande, Rio Pardo, Santa Cruz do Sul, Santana do Livramento, Santiago, São Leopoldo, Vale do Caí. 

“Além da garantia da continuidade dos serviços, o acordo resolve o problema dos déficits e mantém os princípios do plano como a solidariedade, o mutualismo e o pacto intergeracional. Mas, ainda restam alguns grandes problemas a serem superados, como a extinção do teto de 6,5% de gasto da Caixa com o plano, a garantia dos mesmos direitos aos contratados após agosto de 2018 e a melhoria da qualidade dos serviços prestados. São problemas grandes e devem ser prioridades da luta em 2024”, observa o diretor do SindBancários Jailson Prodes. “Acredito que esses foram os principais fatores que pesaram para que pouco mais de 26% dos sindicatos no Brasil não aprovassem a proposta, inclusive Porto Alegre. Nos resta investir na mobilização dos trabalhadores, fazer pressão no governo e apostar no diálogo com a empresa para propor medidas que nos levem qualificar e aperfeiçoar o nosso plano”, finaliza.

Fonte: Imprensa SindBancários

OUTRAS MATÉRIAS
#8M | 01/03/2024
Coletivo de Mulheres da Fetrafi-RS define ações para o mês de março
No mês que marca a luta do movimento feminista no mundo inteiro, mulheres bancárias irão à ruas para denunciar a violência doméstica e suas nuances.
#8M | 01/03/2024
Movimento sindical bancário amplia programa de combate à violência contra mulheres
Projeto “Basta! Não irão nos calar!”, de assessoria jurídica a mulheres em situação de violência doméstica e familiar, ganhará canais em mais dois sindicatos, reforçando presença em todas as regiões do país.
#BRADESCO | 01/03/2024
COE cobra do Bradesco compromisso com o emprego
Banco apresentou novo plano estratégico ao mercado no dia 7 de Fevereiro e reestruturação preocupou empregados.